09/01/2012
Um novo ano que se inicia

A virada de um ano sempre traz o impulso por mudanças e empreendimentos novos que ansiamos há tempos. É hora em que olhamos com mais afinco para o plano da dieta, a academia, o curso de formação que tanto ansiamos e para a conta bancária para otimizar as possibilidades.

Encontramos uma conta de chegada, olhamos para frente e falamos para nós mesmos: Vamos em frente! Tô com tudo! Agora vai!

Seguimos em direção aos propósitos, mas, talvez, em metade, tropeçamos.

É aí que começamos a desanimar, barganhar, protelar, abrir consessões.

Mas, seguimos adiante como Dom Quixotes que brigam com moinhos de vento imaginários.

Os resultados são os mais variados: alcançamos êxitos e erros e, para os mais otimistas, há sempre uma nova chance na próxima segunda-feira.

Contudo, me pego pensando onde estão os moinhos de vento com os quais brigamos e para os quais perdemos algumas batalhas?

O que esses moinhos significam e por que possuem tanta força?

Entendo que eles funcionam como filmes que se repetem. Mudam os atores, o cenário, mas o enredo e o desfecho são os mesmos. Tropeçamos nos mesmos lugares e nas mesmas situações.

Parece estranho, mas, inconscientemente, preferimos repetir um padrão aprendido do que construir um novo caminho. É mais seguro, sabemos o desfecho.

Mas, para começar o ano que se inicia prefiro revisar o filme, reconhecer os velhos padrões, entender os mecanismos e promover o novo capaz de trazer novas forças para empreender os desafios.

Assim, desejo que os moinhos de vento soprem boas novas para todos!


« voltar

Vulnerabilidades no uso de métodos contraceptivos entre adolescentes e jovens: interseções entre políticas públicas e atenção à saúde
O artigo discute situações de vulnerabilidade no uso de métodos contraceptivos nas relações afetivo-sexuais na adolescência e juventude.